|

Pedágio na BR 277 sobe para R$ 13,90 na semana que vem

A tarifa do pedágio da Ecovia em São José dos Pinhais (BR 277) para um caro de passeio sobe de R$ 13,30 para R$ 13,90 a partir de 1º de dezembro.

O aumento foi autorizado pelo Departamento de Estradas de Rodagem (DER) aprovou nesta quarta-feira (23) e anunciado como uma conquista por ter sido menor que a inflação segundo diversso indicadores.

No governo de Roberto Requião, o DER sempre negava o reajustre pedido pelas concessionárias da estradas mas elas obtinham, invariavelmente, 100% do que solicitavam através da Justiça.

Segundo o governo, o índice de reajuste é de 4,53% ficou abaixo da inflação dos últimos doze meses, medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC), do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), que registrou 6,66%. O reajuste também ficou abaixo da variação anual do Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) (6,97%), também medido pelo IBGE, e do Índice de Preços ao Consumidor – Mercado (IPC M) (6,79%), da Fundação Getúlio Vargas (FGV). O período adotado pelo DER para definir o índice paramétrico corresponde aos doze meses de outubro de 2010 a outubro de 2011.

Em maio, o  secretário de Infraestrutura e Logística, José Richa Filho, disse que a redução das tarifas de pedágio, retomada das obras e estudos para novos investimentos em rodovias mantidas por concessionárias são prioridades do governo do Paraná. “Queremos a redução do pedágio, a discussão dos investimentos que constam nos contratos e também vamos cobrar novos investimentos que hoje são necessários”. José Richa Filho disse que sem redução de custos de transporte fica cada vez mais difícil trazer novas indústrias para o Estado.

O secretário argumentou que os atuais contratos foram firmados em 1998, quando o país ainda não tinha expertise para realizar contratos a longo prazo. Além disso, naquele momento havia riscos envolvidos com o custo da moeda e não havia segurança jurídica para as concessionárias. Tudo isso pressionou o valor dos contratos. “Mas agora a situação é outra e as duas partes estão dispostas a sentar à mesa”, disse no início do ano.

Fonte: Correio do litoral

URL curta: http://www.correioatlantico.com/site/?p=4945

Comente esta notícia!


Dê a sua opinião sobre o artigo. Ela é muito importante para nós.

*obrigatório